19.1.09

Viver Intensamente

Ele era um cidadão soviético. Sua inteligência e capacidade de resolução rápida em situações embaraçosas chamou a atenção de oficiais da mais alta patente do governo soviético. Como qualquer outro cidadão soviético, Seigel estava disposto a dar a sua vida em favor de sua pátria, e acima de tudo, sua simpatia pelo comunismo soviético crescia cada vez mais. Assim, foi ele convidado pelo exercito de repressão religiosa a comandar as tropas responsáveis pela varredura em todo país em busca de cristãos que realizavam reuniões religiosas ainda que escondidas para alcançar outras vidas com a mensagem do evangelho, a fim de prender, torturar e até matar. Sentia-se realizado profissionalmente em ter sido reconhecido diante dos oficiais soviéticos, vivia uma vida de vícios, promiscuidade e aventuras, porém dentro de si não possuía verdadeira paz, pois sentia que algo faltava em seu ser. Foi em uma dessas varreduras pelo território soviético que fora avisado pelo serviço secreto da existência de um grupo de cristãos que reunidos em um local subterrâneo adoravam a Deus e alcançavam outras vidas com a mensagem do evangelho. Naquela noite, foi alcançado pelo amor de Deus através do olhar de uma jovem, que presente aquela reunião mesmo após ter sido surrada ao ponto de cair ao chão sem nenhuma força em si, transmitia a essência do amor de Deus, e em seu olhar a paz e felicidade eram latentes apesar do sofrimento. Em outras ocasiões depois, ele presenciara aquela mesma jovem em diversas outras reuniões cristãs, e não conseguia entender o que levava aquela jovem a insistir em permanecer na prática da religião cristã mesmo depois de tantas torturas e perseguições, no entanto o seu olhar como sempre continuava a transmitir aquela mesma paz e felicidade, mesmo após várias e várias surras e espancamentos. Certo dia após a última “batida”, deitou-se em sua cama, porém não conseguia esquecer aquele olhar compassivo e pacífico, e a todos momentos era bombardeado por indagações que surgiam em seus pensamentos: O que poderá sustentar a fé e as atitudes de um cristão como aquela jovem, que apesar de toda tortura e sofrimento imposto pelo comunismo soviético ateu e materialista, permanecia inabalável em sua fé, a ponto de a beira da morte transmitir paz, amor e perdão? Foi quando seus princípios começaram a ser mudados, e ele chegou a conclusão de que os princípios comunistas dos soviéticos ateístas e materialistas não passavam de um grande engodo, e de que de fato a mensagem cristã centrada em Jesus Cristo transmitia a verdadeira liberdade. Foi quando em uma viagem pelo mar em um navio russo, resolveu abandonar o navio em direção a América a fim de livrar-se para sempre do comunismo. Foi recebido por uma comunidade de cristãos no Canadá, e não muito depois em uma reunião cristã em uma região rural, de joelhos, recebeu a Cristo como único e suficiente Salvador de sua vida. A partir daquele momento ele pode compreender e sentir em sua própria vida aquele amor e paz que os olhos daquela jovem transmitiam mesmo em meio a agruras e perseguições. Foi quando resolveu dedicar sua vida em prol da obra de Cristo, testemunhando sua transformação a jovens e anunciando o evangelho. Segundo ele mesmo costumava dizer, estava disposto a entregar a sua própria vida em sacrifício a Deus, pois havia reconhecido com intensidade a paz, o amor e a comunhão dos cristãos russos, que mesmo a beira da morte, faziam testemunho do evangelho, transmitindo graça, perdão e paz em seus olhares. Depois de um ministério profícuo de evangelismo e testemunho, foi vítima de um atentado num quarto de hotel, o que causou a sua morte. Ele havia recebido anteriormente ameaças de nacionalistas russos do Canadá e dos EUA, porém não retrocedeu em sua carreira de fé. Segundo o testemunho de cristãos e pessoas que haviam convivido com Seigel durante sua conversão e cotidiano, e que presenciaram seu ministério, ele viveu a sua vida de forma intensa, pois havia experimentado a comunhão com Cristo e conhecido o significado do perfeito amor de Deus que dá forças ao homem a amar a Deus acima de todas as circunstâncias.


É muito comum vermos e ouvirmos nos meios de comunicação a definição de que alguém tenha vivido ou esteja vivendo de forma intensa e maravilhosa. Ultimamente tem-se notado que as pessoas procuram ou desejam viver com intensidade os seus dias no sentido de encontrarem a felicidade, ou de terem um objetivo ou propósito de realização pessoal, profissional, sentimental e emocional. Assim como este sargento de alta patente do exercito soviético comunista, vivemos a procura de encontrar um sentido para nossas vidas, pois dentro do ser humano existe uma necessidade existencial da procura pela felicidade e da realização. Semelhantes a ele, não são poucos aqueles que se entregam aos vícios, a promiscuidade, as aventuras e aos prazeres na procura de sua auto-satisfação pessoal, no entanto permanecem vazios, e sem sentido para manutenção de sua existência.

A minisérie Maísa veiculada pela Rede Globo mostrou a vida de uma artista que durante seus 40 anos de existência por aqui correu em busca da felicidade, da realização pessoal e do preenchimento de um vazio existencial que havia dentro de si. Acabou por se machucar emocionalmente por diversas vezes em busca de relacionamentos que trouxessem um propósito para sua vida, entregou-se a promiscuidade e a diversas aventuras amorosas por muitas e muitas vezes, porém teve a sua vida ceifada sem experimentar a verdadeira felicidade, sem encontrar o verdadeiro significado de sua existência como indivíduo, e acabou por ser considerada mesmo assim como uma pessoa que viveu a vida de forma intensa e esplêndida. Será que Maísa realmente experimentou a intensidade da vida?

Acredito que Seigel e a linda moça que o levou a refletir sobre sua condição humana sim, Maisa não. Que triste contraste! A linda jovem de olhos pacíficos pode experimentar a intensidade da vida mesmo dentro de um regime totalitário e cruel, levando Seigel a deixar esse regime totalitário e experimentar depois também a verdadeira paz, enquanto Maísa, dentro de um regime de liberdade, e mesmo acreditando estar vivendo em liberdade, foi colhida estando como escrava de seu próprio vazio existencial.

Assim como Seigel antes de conhecer a Cristo, e Maísa durante toda sua vida como uma glamorosa atriz, muitos em nossos dias correm em busca da verdadeira liberdade. Visitando perfis pelo site de relacionamento Orkut, é comum encontramos frases no campo de status dos perfis dizendo “Vivo a vida intensamente”, ou “estou a procura da intensidade do viver”, e outras mais manifestações sobre uma vida intensa e maravilhosamente recompensadora, porém sabemos que os prazeres, os vícios, a vida boêmia e de glamour, as paixões eletrizantes, as aventuras sexuais e amorosas, o “pagamento na mesma moeda”, as esperiências místicas e espirituais de religiões anticristãs, a cultura e as artes jamais poderão preencher esse espaço vazio dentro do homem por si mesmas, trazendo-lhe realização, paz e segurança duradouras.

Seigel e aquela linda jovem anônima experimentaram de fato a intensidade da vida, durante sua existência usufruíram uma verdadeira realização pessoal, e são exemplos a serem seguidos em nosso tempo, em que pessoas seduzidas pelas paixões degradantes procuram intensamente por sua realização, pelo sentido de sua existência, porém por procurarem em poças rotas, não encontram a verdadeira fonte de águas, que é Cristo, o Senhor. Ele tem poder de mostrar-nos o caminho para a nossa realização,a fim de que encontremos o significado para o propósito para qual fomos criados, e o executemos de forma intensa em nossas vidas. Assim, poderemos de fato viver a vida intensamente.

Um comentário:

  1. ola sdnei amei essa história.
    "viver intensamnete"
    Realmente só jesus pode nos fazer felizes por completo... por isso Que Amo esse Deus maravilhoso. Parabens pelo texto!

    ResponderExcluir

COMENTÁRIOS ANÔNIMOS NÃO SERÃO POSTADOS!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...