3.2.10

A Bíblia Dake, repercussões e um convite à reflexão

Meses já se passaram depois da decisão do Conselho de Doutrina e da Comissão de Apologética da CGADB recomendando a retirada de circulação da Bíblia Anotada Dake pela CPAD por possuir conteúdo teológico e doutrinário incompatível com a teologia adotada pelas Assembleias de Deus no Brasil. No entanto, Dake continua sendo carro-chefe de vendas da CPAD desde seu lançamento, e sua venda parece estar mantida na maioria das livrarias e principalmente no site da CPAD e nos estandes da editora nos principais eventos por ela patrocinados e outros eventos das ADs alcançando maciçamente assembleianos e cristãos de outras denominações em todo o país, provocando todo tipo de manifestação que se pode esperar ou acreditar.

De fato, a Bíblia Anotada de Dake impressiona pelos números em relação ao seu conteúdo teológico, o que a consagrou nos EUA como uma das bíblias de estudo mais completas já publicadas, e também por aqui. No entanto, muitos dos posicionamentos de Dake e muitas de suas interpretações teológicas equivocadas foram responsáveis pelo surgimento de uma geração complexa de novos pregadores nos EUA que influenciados por seus pensamentos expostos em sua bíblia e em seus livros foram moldados numa perspectiva herética e acima de tudo desprovida de uma fundamentação teológica equilibrada. Entre eles, destaca-se o mega televangelista e autor de diversos best-sellers no mundo todo, o controvertido Benny Hinn, que já teve o Brasil como um de seus principais circuitos em cruzadas de Fé e de Prosperidade, além é claro de outros absurdos em nome da “unção divina”.

Antes de analisar as principais repercussões em torno da publicação e distribuição da Bíblia Anotada Dake e de seu conteúdo conflitante, é importante destacar que a literatura de uma forma geral tem um poder de influencia gigantesco. Em fevereiro de 2006, a edição norte-americana da revista Cristianismo Hoje em matéria especial discorreu sobre os principais livros que moldaram a igreja evangélica americana no século XX, e que foi responsável por influenciar de forma significativa o pensamento dos cristãos do século passado. Após apontar os 10 principais livros que moldaram a igreja nesse período, a matéria destacou que a igreja modificou completamente sua cosmovisão e paradigmas de até então como resultado de um esclarecimento alcançado pela maciça divulgação das idéias e pensamentos dos autores em seus livros, muitos deles também campeões de vendas no Brasil. Neste contexto, acredito que a principal produção editorial já publicada em língua portuguesa pela CPAD que foi e está ainda sendo pelo menos por enquanto a principal influencia dos cristãos pentecostais no Brasil é a Bíblia de Estudo Pentecostal – e por essa mesma razão, tem moldado o pensamento dos cristãos pentecostais em todo país. Posição que, acredito, pode ser tomada pela Bíblia de Dake, e daí o perigo da aceitação de novas “revelações” em detrimento do fundamento já colocado e construído nos quase 100 anos do Movimento Pentecostal no Brasil. Essa é a razão da publicação deste post, pois acredito que aquilo que foge dos princípios teológicos adotados pela AD presentes na obra podem e devem ser apontados com severidade, a fim de que a geração do Centenário das ADs seja poupada dos desequilibrados pensamentos de Dake presentes na obra.

1 – Repercussões na blogosfera: embates, enfrentamentos, omissões e manifestações favoráveis e contrárias a obra

Acredito ter sido um dos primeiros blogueiros a trazer público na blogosfera meus questionamentos a respeito dos pensamentos incompatíveis de Dake presentes na obra, informações que em parte obtive através de um outro grande produto editorial da CPAD, o livro “Cristianismo em Crise” de Hank Haanegraaff, e de pesquisas. Fui corajoso o suficiente para dirigir-me a um grande escritor, blogueiro e colaborador da CPAD, o Pr. Silas Daniel, hoje Editor Chefe de Jornalismo da CPAD, a quem tive o privilegio de conhecer no Encontro GeraçãoJC realizado na AD do Belenzinho em setembro de 2008 e que considero muitíssimo. Na ocasião, ele me informou o parecer da Casa de que os eventuais pensamentos de Dake conflitantes com a teologia das ADs presentes na obra seriam suprimidos em nome da ortodoxia doutrinária e teológica das Assembleias de Deus no Brasil, o que foi apresentado também nas peças publicitárias da editora, o que todos sabemos que de fato não aconteceu, levando o presidente da CGADB Pr. José Wellington a convocar o Conselho de Doutrina e Apologética para analisarem e deliberarem sobre o assunto, resultando no reconhecimento da presença de pensamentos e idéias teologicamente incompatíveis, e a recomendação da retirada de circulação da bíblia, o que também não aconteceu.

Após meus questionamentos e respostas, meu texto foi reproduzido no blog oficial da UBE, o que acabou repercutindo em muitos outros blogs de outros observadores da situação, gerando as mais diversas manifestações.

Um dos principais blogueiros que fez questão de debater sobre o assunto foi o Pr. Robson Aguiar, que dentre outros comentários apontou de forma magistral os problemas presentes na obra, manifestando sua posição contrária a publicação da bíblia por uma editora confessional. Outro blog que fez história no final de 2009 abrindo seu espaço para o debate em torno do assunto foi o Pointh Rhema do Pr. Carlos Roberto, membro do Conselho de Doutrina da Convenção das ADs no estado de SP, que apresentou aos blogueiros o parecer do conselho de doutrina sobre o assunto, as medidas tomadas pela convenção de SP em relação à distribuição da bíblia, a carta de uma das colaboradoras da CPAD envolvidas no processo editorial da Dake demitida, e sua posição de que a CPAD acertou em publicar a bíblia, porém deveria ter apresentado notas de esclarecimento sobre as divergências contidas na obra, posição que também foi manifesta pelo blogueiro e pastor Altair Germano, que em uma análise interessante discorreu sobre outros títulos da CPAD com conteúdo divergente. Além destes, uma infinidade de outros blogs apresentaram suas opiniões.

No entanto, muitos outros blogueiros fizeram questão de se omitir ou simplesmente abster-se do debate em relação ao tema, uma liberdade que é claro lhes é assegurada. Outros, pelos mais diversos motivos que são alheios ao meu conhecimento (um direito que também possuem e que tenho por obrigação respeitar) entraram no debate e acabaram saindo fazendo mil e uma críticas aos demais simplesmente por possuírem opinião contrária as suas, ou simplesmente por serem vítimas do emprego de ironia, sarcasmo ou outras formas e figuras de expressão utilizadas por eles mesmos em suas reflexões em seus espaços na blogosfera e em suas obras, instalando-se em meio à discussão equilibrada do tema um verdadeiro confronto pessoal com troca de acusações e outras atitudes pueris. Ora, se como blogueiro, pastor, escritor, membro, congregado, ou se simplesmente existem vínculos entre a editora e o indivíduo ou vice-versa, isso por si não pode jamais influenciar o posicionamento e os ideais de um indivíduo que acima de tudo é livre para expressar suas opiniões dentro de um contexto onde, nesse caso, a maior preocupação deveria ser a batalha pela pureza doutrinária de uma instituição. Houve medo e preocupação de retaliação? Provavelmente. Há “rabo preso”? Provavelmente há também. Há interesses meramente políticos tanto de um lado quanto de outro? As mais diversas manifestações foram claras e mostraram que isso também é possível. Há aqueles que concordam com tudo? Sim. Existe alguém trabalhando para apresentar a CPAD, envolvidos no processo de publicação e a CGADB como “império das trevas”? Há também. Infelizmente. E há sinceros no debate? Quero estar entre eles.

2 – Repercussão em eventos oficiais e em cultos/reuniões de ensino – Posicionamentos de teólogos

O blogueiro e Pr. Robson Aguiar que primorosamente apresentou em seu blog diversas matérias apontando os principais pontos conflitantes da teologia de Dake presentes na obra publicada foi preletor de um culto de ensino em uma grande AD. Fez questão de apresentar as idéias de Dake (mais especificamente as heresias presentes nos comentários da página 72) e suas ligações com a bizarra Teologia da Prosperidade, onde fez defesa da fé manifestando seu repúdio as heresias presentes na obra.

O blogueiro e também pastor Geremias do Couto que já ocupou o cargo de gerente de publicações na CPAD, e tem obras publicadas pela editora, além de ser comentarista de Lições Bíblicas – um dos legados da editora – e um dos palestrantes das Conferencias de Escola Dominical, e que teve uma atuação brilhante nos principais debates da blogosfera sobre a obra de Dake, abriu mão de palestrar aos conferencistas em Americana/SP no final de janeiro na Conferencia promovida pela CPAD. De acordo com as informações postadas em seu blog, sua decisão em abrir mão da participação na conferência está ligada a continuidade da distribuição da Bíblia Dake nos estandes da CPAD nos eventos por ela patrocinados. Foi uma atitude muito corajosa, e com certeza teve por objetivo manifestar também sua preocupação em relação as conseqüências teológicas que a obra pode causar no meio assembleiano.

O conhecido apologista, pesquisador, teólogo, escritor, pastor e professor universitário Paulo Romeiro foi um dos teólogos que reprovaram as heresias de Dake. Em carta endereçada a líderes assembleianos, ele apontou os erros teológicos da obra citando Hank Hanegraaff em Cristianismo em Crise e traçando alguns pontos da biografia de Dake. Em sua carta ele salientou sua confiança e vínculos com a CPAD, porém deixou claro que desconhece as causas da publicação de uma obra como a de Dake pela editora assembleiana.

3 – Enquanto isso...

... a obra continua sendo vendida, e seus erros nem tanto combatidos. Recebi uma mensagem por email de um leitor do blog informando que assistiu uma cena impressionante em um culto de aniversário de mocidade de sua região. Segundo ele, um pregador com a Bíblia Dake em punho apresentou uma das muitas fantasiosas interpretações de Dake relacionadas a natureza de Deus presentes na obra como verdadeiras e compatíveis com a doutrina assembleiana a um público de mais de 900 pessoas. De acordo com a mensagem recebida, o pregador após apresentar alguns dos polêmicos pensamentos de Dake teria feito a seguinte declaração: “... Dake foi um homem de estreita comunhão com Deus, que se manifestava a ele de maneira sobrenatural, o que causou perseguição por parte dos demais companheiros carnais que ele possuía no ministério. Por ser um servo dedicado, enxergou nas escrituras o que outros não enxergaram, e ao fazer registro em sua obra sabia que um dia Deus abriria os olhos de muitos para suas verdades reveladas a ele, e isso alcançaria milhões. Podemos agora louvar a Deus pelo fato de compartilharmos as revelações de Deus a Dake, como sinal de que a igreja ainda precisa ser aprimorada”. Mais uma vez estamos sendo reféns das “novas revelações”, porém agora como fogo amigo (se é que posso me referir a Dake e sua obra como amigo)!!


Reflexão


Os líderes e professores precisam tomar posição em relação aos desvios presentes na obra de Dake, bem como também incentivar seus liderados e alunos a “examinar tudo, retendo o bem”. As editoras, convenções e lideranças eclesiásticas (assim como todos nós) estão sujeitos a errar, daí a necessidade de se avaliar o conteúdo das obras as quais temos acesso a fim de não sermos levados pela onda do sucesso de vendas. Alguns blogueiros e outros observadores da atual crise chegaram ao ponto de propor um “índex librorium” – uma lista com as obras que apresentam falhas, a fim de serem evitadas. Embora acredite no potencial destrutivo no ponto de vista teológico de obras como a Dake e outras, elas não devem ser evitadas, mas cuidadosamente analisadas a fim de que seus erros sejam trazidos a tona para que sejam esclarecidos diante do publico leitor.

Para encerrar meu raciocínio, gostaria de expressar alguns pontos importantes no episódio Dake-CPAD a fim de que não seja vítima de juízo de valor equivocado:

a) pessoalmente não sou contra a publicação de obras como a de Dake, porém discordo em gênero, número e grau de seus posicionamentos incompatíveis com a ortodoxia teológica e doutrinária; b) a CPAD como editora confessional e oficial da denominação errou ao publicar uma obra incompatível com a teologia adotada pela instituição a qual pertence e representa; c) no episódio Dake-CPAD acredito que a pior atitude da editora foi vender a imagem da bíblia de Dake como “revisada com todo rigor teológico e doutrinário” como afirmavam as peças publicitárias da editora, presentes em seus principais periódicos – esse foi o ponto principal da minha discussão nos espaços e fóruns sobre o assunto onde tive a liberdade de opinar respeitada; d) acredito que a melhor saída para essa crise seria o posicionamento oficial da editora em relação as decisões e recomendações do Conselho de Doutrina e da Comissão de Apologética da CGADB, sua publicação nos periódicos da Casa, aliado a um esforço conjunto de lideranças, teólogos e professores em apontar os desvios presentes na obra refutando-os segundo as escrituras; e e) apesar da atual crise institucional, reconheço que onde há seres humanos sempre haverão desafios para se superar, por essa razão continuo acreditando na idoneidade e compromisso da CPAD, de seu Conselho Administrativo, Diretoria, Consultoria, bem como demais colaboradores. Acredito na ética, moral e responsabilidade do consultor doutrinário da CPAD, Pastor Antonio Gilberto – suas convicções, experiência e conhecimento adquirido em todos esses anos diante de diversas instituições comprometidas com a ortodoxia em nosso país e fora dele não deixam dúvidas de que o episódio foi um mero vacilo editorial, e que se fará o possível para que não seja repetido.


É o que todos nós, sem dúvida alguma, ansiosamente esperamos.



S i d n e i   M o u r a

4 comentários:

  1. Senhor Sidnei precisa visitar nosso blog. Se procura o real significado do que é ser um divulgador da palavra de Deus, venha nos visitar.

    ResponderExcluir
  2. Aenhor Martins,

    Não posso negar a existência de blogs que sobrepujam em excelência tanto no conceito de aparência quanto no quesito conteúdo.

    No entanto, ao divulgar a verdade da palavra de Deus tenho procurado seguir o exemplo deixado por Paulo em ensinar ou anunciar "apenas as escrituras" - nEla sim poderemos encontrar o real significado do que é ser um divulgador do evangelho. O que passa disso pode ser de procedência duvidosa.

    Obrigado.

    ResponderExcluir
  3. "Existe alguém trabalhando para apresentar a CPAD, envolvidos no processo de publicação e a CGADB como “império das trevas”? Há também. Infelizmente".

    Sidnei,
    Seu texto está perfeito a não ser por sua impressão representada pela frase acima.
    Há dezenas de pessoas com este grito entalado na garganta. Só que o meu saiu.
    É duro lutar contra o cinismo travestido de humildade.
    Deus abençoe você.
    Miriam

    ResponderExcluir
  4. Miriam,

    Respeito a sua opinião, e acredito que você tenha motivos pra fazer tal declaração, porém quero acreditar que a CPAD aprenderá com seus erros e voltará a se preocupar em servir a igreja, e não servir de tropeço como no episódio Dake. Como afirmei na última frase do post "Isso é o que todos nós desejamos".

    Obrigado pela visita e comentário!

    ResponderExcluir

COMENTÁRIOS ANÔNIMOS NÃO SERÃO POSTADOS!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...