6.3.09

Contexto Feminino - Mulheres & Virtude [1]

Dependendo do seu ponto de vista você pode ficar impressionado, intrigado ou simplesmente surpreso por constatar que apenas dois livros da Bíblia tem um nome feminino. As escrituras são, reconhecidamente, uma obra escrita por homens inspirados por Deus.

Contudo como os livros de Rute e Ester demonstram mais claramente, as mulheres são muito importantes na história da redenção da humanidade. Apesar de Rute e Ester serem os únicos livros com nomes femininos, existem muitas outras histórias de mulheres importante nas escrituras, entre elas a profetisa Hulda, sobre a qual discorrerei a seguir.

Por muitas razões, a maioria dos protagonistas são homens, mas as mulheres tiveram uma participação vital na história revelada tanto no Antigo como no Novo Testamento, da mesma forma como participam ativamente hoje na obra de Deus em todo o mundo.

Meu desejo neste dia 8 de março – Dia Internacional da Mulher - é que através desse breve comentário desta excepcional mulher, outras mulheres se sintam encorajadas e estimuladas a entregarem suas vidas ao Senhor a fim de que sejam utilizadas como instrumento em suas mãos para realização de sua vontade. Reconheço a importância, a capacidade e a singularidade da vida da mulher cristã.

Hulda, a profetiza do juízo divino



Algumas pessoas afirmam que uma boa liderança basta para mudar os rumos de um país. Às vezes, porém, as nações podem descer tanto pelo ralo da degradação moral que Deus finalmente faz jorrar água pelos canos de esgoto e os limpa de uma só vez. Uma limpeza assim é o que o Senhor tinha em mente para o reino do Sul (Judá), e Hulda foi a mulher que Ele escolheu para realizar esse propósito.

A decadência contínua de Judá rumo à desonra culminou com Manasses, um rei tremendamente mau, que governou de 695 a 642 a.C. Se Deus dissesse para não fazer qualquer coisa, provavelmente Manasses a faria. A Bíblia diz que ele persuadiu os israelitas, "que fizeram pior do que as nações que o SENHOR tinha destruído de diante dos filhos de Israel" [1]. E isso indicava que algo estava muito errado, [uma vez que Israel era o povo do Senhor, que deveria ser diferente das nações e um exemplo para elas]. Como consequência dos pecados de Israel, Deus anunciou o castigo: "eliminarei Jerusalém, como quem elimina sujeira de um prato, elimina-a e o emborca" [2].

Embora Manasses tenha se arrependido quase no fim de seu reinado, era um pouco tarde demais para mudar o rumo da nação. Além disso, seu sucessor foi tão mau quanto ele. Amom, seu filho, reinou dois anos e foi assassinado (642-640 a.C.). Então veio Josias (640-609 a.C.).

Hulda aparece em 2 Reis 22 e em 2 Crônicas 34 - e ambas as passagens referem-se ao reinado de Josias, um genuíno homem de Deus que buscava o Senhor e seguia a retidão. No entanto, nem mesmo a liderança de­vota de Josias podia suspender o castigo que estava por vir. Embora ele labutasse incansavelmente para desfa­zer todo o mal que seu avô Manasses havia cometido, a nação tinha ido longe demais em seu pecado. Deus ha­via declarado que era assim.

Hulda é uma das cinco profetisas mencionadas pelo nome nas Escrituras. As outras quatro são Miriã, Débora, Noadia e Ana [3]. No décimo oitavo ano do governo de Josias (ele tinha apenas 26 anos de idade), Hilquias, o sumo sa­cerdote, encontrou um livro que continha a Lei Mosai­ca, numa ocasião em que operários reparavam o Tem­plo. Alguns comentaristas acreditam que a maioria das cópias desse texto tinha sido destruída durante o reina­do de Manasses. Hilquias, o sacerdote, pode ter desen­terrado um Pentateuco completo ou pelo menos o livro de Deuteronômio, pois o texto que ele encontrou apa­rentemente continha as maldições que Deus prometera a Israel se a nação O abandonasse.

Quando Josias percebeu o quanto a nação havia se afastado de Deus, rasgou suas vestes de luto e enviou Hilquias, Safa, o escrivão, e três outros homens para consultarem o Senhor: "porque grande é o furor do SENHOR, que se derramou sobre nós, por­quanto nossos pais não guardaram as palavras do SENHOR" [4].

Então Hilquias pegou o livro e foi direto até Hulda. É interessante que ele não tenha ido a Jeremias que, provavelmente, estava com 25 anos de idade e em seu quinto ano de ministério. Também não foi até Sofonias, que havia profetizado o juízo de Deus sobre Judá aproxima­damente três anos antes (cerca de 625 a.C.). Talvez esses homens não estivessem disponíveis. Ou, possi­velmente, Hilquias não tenha consi­derado o assunto de suma impor­tância, pois enviou o livro ao rei por meio de Safa em vez de levá-lo pes­soalmente. E quando Safa o entre­gou a Josias, achou mais importante falar ao rei primeiro sobre o dinhei­ro coletado no Templo [5], para depois entrar no as­sunto do rolo da Lei que havia sido encontrado.

O Dr. Israel W. Slotki, um estu­dioso judeu, sugere que Jeremias ainda não era bem conhecido, en­quanto Hulda pode ter sido a espo­sa de um funcionário do Templo, porque a Bíblia diz que seu marido, Salum, era "o guarda-roupa" [6]. Essa expressão também po­deria significar que ele era o encar­regado das vestes reais. De qual­quer modo, Deus mesmo fez a or­denação de Hulda e a colocou nas proximidades, em um subúrbio de Jerusalém. Além disso, ela deve ter sido uma mulher bem conhecida, de excelente caráter e reputação, para que o sumo sacerdote fosse consultá-la.

Segundo o comentarista Alfred Edersheim, o fato de uma questão tão importante ter sido trazida até uma mulher "indica a posição excepcional que Hulda ocupava na opinião geral" e explica as condições religiosas da época, que eram terríveis. A mensagem de Hulda foi: "Ela lhes disse: Assim diz o SENHOR, o Deus de Israel... Eis que trarei males sobre este lugar e sobre os seus moradores, a saber, todas as maldições es­critas no livro que leram diante do rei de Judá. Visto que me deixaram..." [7].

Contudo, Deus mos­trou misericórdia para com Josias porque seu co­ração era terno em relação ao Senhor [8]. Ele prome­teu suspender o castigo até depois da sua morte.

A imoralidade e a desobediência a Deus viriam a destruir a nação. A tribo de Judá havia se tornado tão corrupta que mesmo o breve reavivamento durante o período de Jo­sias não produziu o arrependimento nacional e sincero que Deus deseja­va. "Feliz a nação cujo Deus é o SENHOR" [9]. E a nação cujo Deus não é o Senhor tem pouco a esperar a não ser a mensagem de Hulda, uma mensagem de juízo e castigo. [10]


Notas
1 – 2 Reis 21:9
2 – 2 Reis 21:13
3 – Êxodo 15:20, Juízes 4:4, Neemias 6:14 e Lucas 2:36.
4 – 2 Crônicas 34:21
5 – 2 Crônicas 34:17
6 – 2 Cônicas 34:22
7 – 2 Crônicas 34:23-25
8 - 2 Crônicas 34:27
9 - Salmos 33:12
10 – O presente artigo, de autoria de Lorna Simcox foi publicado na Revista “Chamada da Meia-Noite” – ano 37 – nº 11.

Um comentário:

  1. Irmão Sidnei, acabei de ler sua mensagem em meu blog e peço desculpas por não ter passado por aqui antes! Estava ocupada com alguns assuntos da igreja.

    Ai, que maravilha! Graças a Deus existem servos como você, que prestam homenagens lindas como esta para as mulheres.

    Que Cristo use mais e mais cada serva para a obra dele.

    Um bom final de semama pra você, Sidnei.

    ResponderExcluir

COMENTÁRIOS ANÔNIMOS NÃO SERÃO POSTADOS!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...